QUARTA-FEIRA, 16 DE OUTUBRO DE 2019
Plantão
Destaques

Tragédia em Brumadinho: famílias discutem como usar R$ 400 milhões de indenização

Publicado dia 25/09/2019 às 11h33min
Rompimento da barragem 1 da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, deixou 270 vítimas e completa oito meses nesta quarta-feira (25)

Oito meses após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, familiares das vítimas e atingidos começam a discutir a destinação de R$ 400 milhões pagos em indenizações por danos morais coletivos pela mineradora. O dinheiro foi depositado pela Vale no dia 2 de agosto, após acordo com o MPT (Ministério Público do Trabalho).

Nesta quinta-feira (26) ocorre a primeira reunião entre familiares de vítimas e representantes do MPT, da Justiça do Trabalho e da Defensoria Pública da União para começar a desenhar um plano para a destinação dos recursos.

Oito meses após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, familiares das vítimas e atingidos começam a discutir a destinação de R$ 400 milhões pagos em indenizações por danos morais coletivos pela mineradora. O dinheiro foi depositado pela Vale no dia 2 de agosto, após acordo com o MPT (Ministério Público do Trabalho).

Nesta quinta-feira (26) ocorre a primeira reunião entre familiares de vítimas e representantes do MPT, da Justiça do Trabalho e da Defensoria Pública da União para começar a desenhar um plano para a destinação dos recursos.

 

Acordo

O valor pago pela Vale a título de indenização por danos morais é o maior da história da Justiça trabalhista no Brasil. Diferentemente das indenizações de caráter individual, que buscam dar uma compensação financeira a quem perdeu um parente, bens ou a fonte de renda com a tragédia, o dano moral coletivo é concedido quando o empregador causa dano não apenas a um empregado, mas a toda uma comunidade.

Além das 270 vítimas, entre mortos identificados e desaparecidos, o rompimento da barragem em Brumadinho causou uma série de impactos ao município, como a perda de arrecadação, aumento nos casos de depressão de moradores, danos ambientais com a contaminação do rio Paraopeba, ameaça de desabastecimento de água nas cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte, dentre outros.

Fonte: Folha Vitória / Foto:Corpo de Bombeiros Militar MG