Eficácia de 78% para a CoronaVac é excelente, avaliam especialistas

Eficácia de 78% para a CoronaVac é excelente, avaliam especialistas

O governo de São Paulo anunciou, nesta quinta-feira (7), que a CoronaVac, a vacina para a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, registrou 78% de eficácia nos testes clínicos feitos no Brasil.

Ainda de acordo com o governo, a vacina garantiu a proteção total (eficácia de 100%) contra mortes, casos graves e internações nos voluntários vacinados que foram contaminados. Isso significa que, entre os voluntários vacinados que foram infectados, nenhum morreu, desenvolveu formas graves da doença ou foi internado.

Na prática, se uma vacina tem 78% de eficácia, isso significa dizer que, a cada 100 pessoas vacinadas, 78 ficam protegidas contra a Covid-19. Especialistas ouvidos pelo G1 avaliam que o índice é excelente.

“A eficácia de 78% da CoronaVac, ao que tudo indica, é uma eficácia excelente e compatível com uma vacina de vírus inativado. Com uma boa campanha, vai ser uma ótima vacina para o Brasil”, afirma Natália Pasternak, microbiologista pesquisadora da USP e presidente do Instituto Questão de Ciência.

Renato Kfouri, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, também avalia o resultado como excelente.

“Era um dado que esperávamos e a eficácia é boa. É mais uma [a CoronaVac] para compor o cardápio de vacinas para combater e enfrentar a Covid-19. Para os brasileiros é excelente, porque a CoronaVac está sendo produzida também no Brasil. Agora vamos ver a publicação dos dados para poder entender melhor o impacto que essa vacina terá na população”.

O virologista Eduardo Flores, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, concorda.

“Se essa vacina da CoronaVac conseguiu 78% de eficácia, é muito bom. Muito bom mesmo. É uma vacina cuja tecnologia é muito antiga, se conhece bem os efeitos colaterais, que são muito poucos. Eu acredito que essa é uma vacina que é uma importante ferramenta nessa luta contra o coronavírus”, afirma Flores.

A CoronaVac usa a tecnologia de vírus inativado. Esse tipo de vacina usa o vírus inteiro para induzir a resposta do sistema de defesa do corpo (mas ele não causa doença, porque, como o nome diz, está inativado, ou seja, “morto”).

Nós já usamos várias vacinas de vírus inativado contra outras doenças – como a da hepatite A, gripe e raiva. Também existe uma vacina contra a pólio que é injetável e feita com o vírus inativado.

Menor que concorrentes

O índice de 78% é menor que os das vacinas desenvolvidas pelos laboratórios Pfizer e Moderna, que já foram aprovadas na União Europeia e nos Estados Unidos. As vacinas, que usam a tecnologia de RNA mensageiro, alcançaram eficácias de 95% e 94%, respectivamente.

Natália Pasternak explica que já era esperado que a CoronaVac tivesse uma eficácia menor que as das outras vacinas, justamente por ser feita com o vírus inativado.

“A vacina inativada não consegue provocar uma resposta tão completa. É esperado que ela tenha uma eficácia menor”, afirma.

“Uma vacina de vírus inativado dificilmente vai ter a mesma eficácia do que vacinas de RNA ou vacinas de adenovírus [de vetor viral, como a de Oxford e a Sputnik V], que conseguem entrar na célula e imitar, de uma forma muito mais efetiva, a infecção natural. Elas acabam provocando uma resposta imune que é tanto de anticorpos como de resposta celular“, explica Pasternak.

“A resposta imunológica contra qualquer agente e contra vacina se divide em dois braços – a humoral, que é a mediada por anticorpos, e a resposta celular, que é mediada por linfócitos T. As vacinas inativadas só induzem parte dessa resposta, a resposta humoral”, detalha o virologista Eduardo Flores.

“A CoronaVac, por exemplo, vai induzir resposta humoral, mediada por anticorpos, que muitas vezes protege e é suficiente. Já as vacinas replicativas ou de RNA e a vacina de vetor induzem tanto resposta humoral, mediada por anticorpos, e a resposta mediada por linfócito T, a resposta celular. Essa é a principal razão”, explica.

Flores acrescenta, ainda, um fator: a quantidade de vírus que o sistema imune tem para combater.

“A resposta imunológica contra uma vacina inativada é feita contra aquele X número de vírus que tem ali. Então, digamos que uma vacina contenha 1 milhão de partículas víricas. A resposta imune vai ser contra aquelas 1 milhão de partículas. Ponto. O vírus não se multiplica, não amplifica. Já as vacinas com RNA mensageiro e de vetores, no momento em que o RNA mensageiro entra na célula e o vetor entra na célula, vai produzir proteína lá dentro. E, possivelmente, a quantidade de proteína viral que resulta de uma vacinação com RNA mensageiro e com vetor viral é maior”, afirma.

A vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas, Denise Garrett, acrescenta que o vírus inativado induz uma resposta imune para todo o vírus – e não só para a proteína S, que o vírus usa para infectar as células.

“Você tem a produção de anticorpos para todas as proteínas na superfície do vírus. É como se diluísse a resposta imune – para isso, eles usam adjuvantes, nesse caso, o alumínio”, afirma. Os adjuvantes servem para reforçar a indução da resposta imune gerada pela vacina. As vacinas da hepatite B e da pólio injetável, por exemplo, também contêm adjuvantes.

Normalmente, esse tipo de vacina também é dado em mais de uma dose (como é o caso da CoronaVac).

Já as vacinas de RNA mensageiro usam apenas a informação genética de uma proteína do vírus, que é a proteína S (veja vídeo abaixo). As vacinas de RNA contra a Covid-19 da Pfizer e da Moderna são as primeiras da história a entrar no mercado.

admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: